Pamukkale

Travertinos de Pamukkale

Depois de uma viagem de quatro horas em um mini-ônibus, com direito a parada em todas as porteiras do caminho, e com direito a encher o tanque em um posto clandestino onde o frentista fumava enquanto mexia com o combustível, chegamos às 19:00 em Pamukkale uma pequena vila no meio do nada. Mas que lugar magnífico. Que paisagem inédita. O combustível é muito caro na Turquia.

Abastecimento em posto clandestino. Só por Deus.
Abastecimento em posto clandestino. Só por Deus.

Pegamos o ônibus em Fethiye para Denizli (que é a maior cidade perto de Pamukkale). O nosso transfer estava esperando lá, mas outra agência pegou a gente por engano. No final chegamos ao hotel do mesmo modo.
Só existe uma coisa para fazer na cidade: entrar no Parque Nacional de Pamukkale. Entramos pela entrada norte para começar vendo Hierápolis. São as ruínas de uma cidade do século 2 AD que ainda conserva várias partes muito interessantes. Vale a pena a visita, é surpreendente, enorme e onde se encontra todas aquelas estruturas que os romanos adoravam: um teatro com capacidade para 20000 pessoas e que tem todas as características dos teatros atuais (ou será o contrário?). os banhos romanos grandiosos (com água corrente quente, morna e fria – caldarium, tepidarium e frigidarium), os banheiros públicos grandiosos e a Necrópolis (uma coleção de 1200 túmulos, sarcófagos e casas típicas de cemitérios. É o maior cemitério da Ásia Menor conservado.

E depois de caminhar uns três quilômetros por Hierápolis a gente chega nas piscinas de Cleopatra ou Piscinas Antigas onde por mais algumas liras você pode ficar o dia todo se banhando em águas termais. Passamos. Também tem uma coisa muito diferente: manicure feita por peixes. Você coloca os pés na água e os peixes comem as peles mortas. Não deu para fotografar.
Saindo das piscinas, você dá de cara com os Travertinos (Pamukkale em turco) e aí é só comtemplação e admiração.

E além de todas essas maravilhas ainda encontramos um casal de australianos que nos deu o mapa (caro) do parque natural e todas as dicas de como chegar lá. Gente boa esses australianos.

Anúncios

3 comentários sobre “Pamukkale

  1. Wilde A Campos

    A beleza do lugar é indescritível e nos transmite uma sensação inigualável de paz e pureza como nunca vi antes.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s