Kaikoura – paisagem linda, pessoas ótimas

A primeira coisa que vimos quando acordamos em Kaikoura: mar e Alpes do Sul nevados
A primeira coisa que vimos quando acordamos em Kaikoura: mar e Alpes do Sul nevados

Em Franz Josef encontramos uma menina de Cingapura que falou muito bem de Kaikoura e como o lugar era bonito e cheio de trilhas. Já estava no nosso roteiro então decidimos que iríamos mesmo. Saímos de Christchurch depois do almoço, caminhamos com as mochilas nas costas por cerca de um quilômetro até a “rodoviária” (na NZ não tem o conceito de rodoviária, ou os ônibus te deixam e buscam na porta do hotel / albergue ou apenas param no i-Site que é o centro de informações turísticas que tem em todas as cidades). Chegamos a Kaikoura depois de escurecer, o motorista nos deixou a uns 100 m do YHA, nos mostrou a direção e com fé e coragem fomos porque não tinha calçada, era grama e tampouco iluminação suficiente. Fomos bem atendidos por uma senhora Maori chama Queenie (rainha em inglês maoriado) e despachados para nosso dormitório de quatro pessoas. Passamos três noites em Kaikoura e amamos. Ficamos sozinhos no quarto o tempo todo. O albergue é tudo de bom, a vista é algo emocionante. Tomar café da manhã olhando as montanhas nevadas dos Alpes do Sul foi um privilégio por três manhãs. Nos dias que ficamos as mesmas pessoas que estavam lá eram as mesmas e viramos uma comunidade temporária de pessoas que adoram viajar, mochileiros e desencanados. Foi uma alegria conversar toda a noite com essas pessoas, compartilhar o vinho da Naomi, ver as tentativas do pessoal comer os avalones que o Mr. Kim preparou. Mr. Kim esse coreano diferente, passou o dia coletando avalones – caracóis do mar ou moluscos – e uma noite resolveu cozinhá-los para nós. A Naomi, chefe que é, deu algumas sugestões, mas só depois que nenhum de nós conseguiu engolir os tais moluscos. Foi muito divertido. Nem com vinho bom aquilo desceu, mas foi uma simpatia dele cozinhar para nós. E alguns também tentaram comer cru. A Inga morava e trabalhava no hotel e é uma das pessoas mais honestas e globalizadas que eu conheci na viagem. E bonita também. O Christian um alemão novinho e cheio de ideias boas e que estuda Conservação e Limpeza de Águas – vai ter muito futuro.

Lado esquerdo: Naomi – inglesa, Inga – alemã. Lado direito: Mr. Kim – coreano, Carlos – brasileiro, Christian – alemão
Lado esquerdo: Naomi – inglesa, Inga – alemã. Lado direito: Mr. Kim – coreano, Carlos – brasileiro, Christian – alemão
Outra comunidade diferente: kelp flies – moscas de alga – que se juntam para manter calor.
Outra comunidade diferente: kelp flies – moscas de alga – que se juntam para manter calor.

Kaikoura fica a umas três horas de Christchurch e a duas horas de Picton que é de onde o ferry parte para a Ilha Norte. É uma cidade pequena de 2.000 e poucos habitantes e algumas focas.
É uma península que entra pelo mar adentro e que tem abundância de vida marinha. Tem passeios para ver e nadar com golfinhos e ver baleias. A cidade foi um importante posto baleeiro enquanto podiam ser caçadas e pescadas. Agora todos vão ver a grande colônia de focas de pelo que ficam na pontinha da península. Pássaros marinhos estão por todo lado.
O prato principal da cidade é crayfish – acho que caranguejo – que também é a reserva econômica da cidade. Kaikoura é crayfish em maori e tem para vender em todos os lugares.
Fizemos um grande passeio em Kaikoura. Saímos do albergue e caminhamos até a colônia de focas e depois pegamos o South Bay Track para subir e rodear toda a península e ver as belezas lá de cima.
Na volta encontramos a Naomi que tinha saído para andar de bicicleta com a Ana, foi até um trecho e depois cansou. Andamos juntos até o albergue, cansados, famintos e embarreados. Valeu o passeio, as foquinhas e as vistas magníficas.

No caminho para a colônia de focas:

As focas:

E um filme para mostrar como são gracinhas:

E tudo isso são as vistas da caminhada pelo caminho que contorna toda a península, sobe até o topo, passa dentro de fazendas e volta por um atoleiro que nos deixou imundos. Foram umas seis horas caminhando, mas valeu cada passo. Mar, montanhas, verde e neve: tudo de bom.


Saímos de Kaikoura de manhã para Wellington. Conosco foi a Victoria, uma inglesinha muito gente boa que também ia para o YHA de Wellington. Assim somos os mochileiros, ponto a ponto, albergue a albergue. Sempre boa companhia. Uma comunidade sem igual e só de gente viajadora. Enquanto esperamos o ônibus na cidade, mais algumas fotos:

Praia de pedras
Praia de pedras

E quantas
E quantas

E essa é a pequena cidade de Kaikoura
E essa é a pequena cidade de Kaikoura

Pequena mesmo.
Pequena mesmo.

Um comentário sobre “Kaikoura – paisagem linda, pessoas ótimas

  1. Wilde A Campos

    Mais uma cidade graciosa, cercada de belezas naturais cheias de encanto e paz, encontros com animais diferentes e com pessoas agradáveis de várias nacionalidades, deve ser só mais uma das experiências vividas por vcs nesse ano e que vale a pena ser mostrada para provar que o nosso mundo não está totalmente perdido e que ainda existe muito a ser salvo. Continuem nos mostrando essas maravilhas! Beijos.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s