Taiti – ia Ora na, Mauru’ uru, Nana

Taiti – oi, obrigada e tchau – traduzindo do taitiano. A região chama-se Polinésia Francesa, mas todos dizem Taiti. Quando a gente falava que ia para a PF tinha que traduzir para Taiti, Bora Bora e por ai adiante. Taiti é o sonho de “Ilha da Fantasia” para muitos casais em lua de mel ou em aniversários de casamento. Depois de ver o azul turquesa das ilhas acredito que seja realmente um paraíso feito para aproveitar a dois, relaxar e aproveitar. É possível apenas acordar e olhar o mar e ficar feliz, tomar banho de sol, mergulhar num mar que é um aquário de peixes coloridos, andar pelas praias limpas de areia branca, ir ver golfinhos, tubarões, arraias e baleias, pegar coco nos coqueiros para comer ou apenas sentar e tomar Hinano – a cerveja local. Cada dia era um dia melhor que o anterior, cada dia uma beleza diferente e uma surpresa boa. Como eu dizia no facebook: Mais um dia no paraíso. Férias é isso. Um lugar onde você não tem preocupações, as pessoas são agradáveis, ninguém tenta de enganar ou roubar, o clima é bom, a comida é ótima e onde você só precisa decidir o que vai fazer no dia. E assim 15 dias passaram voando e nós tivemos que deixar o ponto alto da viagem.
Agora todas as explicações. Na Nova Zelândia conhecemos a Caroline do Taiti que se dispôs a nos esperar no aeroporto e nos receber em sua casa. Foi uma recepção de primeiro mundo. Primeiro você sai do voo e encontra um grupo tocando e dançando a música típica. Também foi tão maravilhoso ter alguém no aeroporto nos esperando depois de 10 voos chegando sozinhos, ver um rosto familiar, feliz e nos dando as boas vindas a PF foi tão bom que eu quase chorei. Os colares que ela nos levou são feitos de tiare – gardênia a flor símbolo da PF – que cheirou bem os quatro dias que ficamos lá. Cheirou muito bem. Quando você chega e eles te dão o colar com a flor que une o símbolo da pureza, a fragrância do Taiti vem junto um convite para entrar num mundo de bem estar.
O Taiti é uma grande ilha, mas tem um pequeno estreitamento no lado leste e que divide a ilha em duas porções: Taiti Nui e Taiti Iti. Nui quer dizer grande e iti é pequeno. A cidade principal é Papeete e que os artigos mais populares e comprados pelos turistas são a pérola negra e o Monoi que é óleo de coco com gardênias maceradas. Do aeroporto até a casa da Caroline que mora em Taravao, quase na divisa das duas partes, foi uma hora de carro. Eu comi peixe no voo e cheguei intoxicada e foi chegar, vomitar e dormir. Nos próximos três dias passeamos por toda a ilha. Era acordar, arrumar o isopor com o piquenique e sair para passear. Passamos três dias excelentes, conhecemos a ilha toda do ponto de vista de um morador, fomos a lugares turísticos e lugares que apenas os locais vão.
Nosso primeiro dia fomos até Le Trou de Souffleur, as Les 3 Cascades, paramos para fazer piquenique e fomos passear em Papeete.

La Roulotte são umas caminhonetes que fazem e servem uma variedade de pratos locais na hora. É como um centro gourmet popular em que o ambiente é tranquilo, ao ar livre, preços bons e onde os turistas e os locais se misturam. Ponto turístico que deve ser visitado. No dia seguinte fomos fazer uma caminhada com vistas lindíssimas e começamos a entender o que é o mar da PF.

Dia seguinte tentamos ir ao Museu Paul Gauguin que está fechado para reformas. Aproveitamos a proximidade e fomos visitar o Jardim Botânico que a Caroline também não conhecia. Um lugar muito bonito, nos perdemos um pouco, vimos tartarugas enormes de galápagos, árvores típicas da região, andamos bastante.

No outro dia fomos até o Platô de Taravao de onde é possível avistar Taiti Nui. O tempo não estava muito bom e vimos bastante neblina, fizemos nosso piquenique, tomamos cerveja e fomos tomar chuva na praia. Tivemos que antecipar a volta pela chuva. No final do dia fomos assistir uma missa católica. Foi muito bonita. Falada em francês e cantado em taitiano. O padre usa colar de flores locais, a maestrina usava branco e colar de flores. É uma missa muito animada e ao mesmo tempo muito familiar a quem, como nós, já frequentou a igreja católica.

Próximo dia madrugar e pegar o ferry para Moreia. Antes passamos pelo mercado de Papeete que é um lugar cheio de vida e cor, cheio de produtos típicos e comidas típicas. Não foi possível andar muito porque estava cheio e carregando as mochilas é mais complicado. Andamos um pouco, vimos um pouco e pegamos o ferry cedo para chegar a tempo ao hotel. Até reservar o hotel em Moreia a Caroline nos ajudou. Como eu digo sempre é só andar pelo mundo e ver que existe uma imensidão de gente boa e generosa. Para você Caroline: Mauru’ uru, merci beaucoup y muchas gracias.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s