Informações práticas – México

Data Dia Semana Local
9/16/2014 Tue São Paulo -> Cidade do México
9/17/2014 Wed Cidade do México
9/25/2014 Thu Cid. México -> Oaxaca
9/26/2014 Fri Oaxaca
9/29/2014 Mon Oaxaca -> Zipolite (praia)
9/30/2014 Tue Zipolite
10/2/2014 Thu Zipolite -> San Cristobal de Las Casas (Chiapas)
10/3/2014 Fri Zipolite -> San Cristobal de Las Casas (Chiapas)
10/4/2014 Sat San Cristobal de Las Casas
10/5/2014 Sun San Cristobal de Las Casas -> Palenque
10/6/2014 Mon Palenque
10/7/2014 Tue Palenque -> Merida
10/8/2014 Wed Merida
10/12/2014 Sun Merida -> P. del Carmen
10/13/2014 Mon Playa del Carmem
10/18/2014 Sat Cozumel
10/19/2014 Sun Akumal
10/20/2014 Mon Tulum
10/21/2014 Tue Cancun
10/22/2014 Wed Isla Mujeres
10/23/2014 Thu Cancun -> Los Angeles

O México está sendo uma experiência toda nova para nós. Lemos muitas coisas e ouvimos muito mas a surpresa foi muito boa. Também é um país de grandes distâncias e problemas iguais aos nossos porém a vida parece bem mais simples. As pessoas são ótimas, educadas, gentis e prestativas e sem aquele jeitinho brasileiro de fazer as coisas ficarem mais complicadas. Até agora as paisagens parecem as mesmas que as nossas. O sul é muito parecido com estar viajando no estado de SP. A Cidade do México foi uma surpresa total: ampla, com muitas avenidas largas e arborizadas, limpa, bem mais limpa que a SP e com um sistema de metro e transporte que não deixa você na mão. A comida é ótima, toda a cidade cheira a comida porque eles vendem comida em todos os cantos, nas ruas, nas calçadas. É uma invasão de aromas muito parecidos e comidas também. A base é um pão / tortilla de milho que pode ser macia, torrada, frita, assada mas sempre é a base para o resto que é o recheio. Muito feijão, muita gordura e muitos molhos que podem ir de apimentado até “o demônio tomou conta da minha língua.” O que é bom é que parece a nossa. Ao contrário da nossa comida não tem nem muito sal e nem muito açúcar. Creio que é por isso que precisam pimenta porque a comida não tem tempero.
Nada é muito caro e não tem exploração. Os preços do supermercado são iguais aos nossos e comer fora nem se compara. É muito mais barato e não te cobram o pão, o molho extra ou o couvert. A conta vem sem os 10% fixos e você deixa “propina” se quiser. Os passeios são bem em conta considerando o transporte e o que é visto. Transporte muito barato.

Moeda
MXN – pesos mexicanos
Nessa data (08/2014): US$ 1 compra 12.50 MXN

Atenção / Dicas
Nós fizemos todas as trocas de moedas em bancos e as melhores taxas foram no ScotiaBank e no CI Banco. A MELHOR CONVERSÃO foi no aeroporto da Cidade do México. Foram 40 centavos a mais que todos os outros lugares. No ScotiaBank é necessário a xerox do passaporte (foto e assinatura) para fazer o câmbio.

Em todas as cidade que passamos tem uma Loja Elektra e dentro dela tem um Banco Azteca que abre de domingo a domingo e tem cambio e as taxas não são ruins.
Em Playa del Carmen nos deparamos com o melhor câmbio da viagem no BanNorte. Excelente atentimento e cotação fantástica.
Agora que estamos acabando a viagem percebemos que seria melhor ter feito o roteiro ao contrário: de Cancun para México DF. Assim deixaríamos o melhor para o final e caso sobre tempo você estará na Cidade do México que tem muito mais coisas para fazer.

Eletricidade
110V-130V / 50 Hz
Tomada tipo americana com fio terra.

Comida
Atenção: os horários de refeição dos mexicanos são diferentes. Eles tomam café da manhã até meio dia e como é muito bem servido só vão almoçar às 14:00 em diante. Os restaurantes que servem o menu do dia só começam nesse horário. O jantar não sei os horários. Com esses horários viajar com eles é difícil porque não param nunca para o almoço na hora que a gente espera.
Comemos em restaurantes, bancas de rua e comemos de tudo (até buchada) e não passamos mal do estômago. A comida toda é meio sem gosto e acho que é por isso que eles sempre oferecem vários tipos de pimenta separado. Não senti gosto de cebola ou alho e muito menos sal. A quantidade de tipos de pimenta e molho que oferecem é grande. Sempre tem limão a disposição. É bem melhor que a Índia porque quando você pede sem pimenta ou avisa que não quer nada com pimenta eles compreendem. Tudo é feito com milho. Comer fora, comparado com o Brasil, é muito barato. Em geral pagamos US$ 12 / 150 MXN por uma refeição completa (sopa, arroz, feijão, uma carne, sobremesa e café) para os dois. Os preços não variam muito de lugar para lugar. Não fomos a restaurantes de chef mas os restaurantes normais custam sempre muito próximo. O serviço é ótimo.

Transporte nas cidades
A Cidade do México que é servida por 10 linhas de metrô, vários ônibus e vans. É rápido, seguro, passam com frequência e funcionam muito bem. O combustível custa US$ 1 / 12 MXN o litro. Pedágio = 30 pesos / 60 pesos. As outras cidades que passamos são servidas por ônibus, vans, micro-ônibus e colectivos (aqueles caminhonetes com bancos de madeira atrás). Todos são concessões governamentais apesar de parecerem clandestinos. Nenhum custou mais que US$ 1.80 / 20 MXN. Não ficamos sem transporte para fazer turismo em nenhum lugar.

Segurança
Não tivemos nenhum problema até agora. Todos os lugares turísticos são coalhados de policiais com armamento pesado e coletes a prova de bala. A CDMX (Cidade do México) é muito bem policiada e, como no Brasil, em frente a todos as lojas tem segurança privada. Dizem que é inseguro e perigoso mas ainda não tivemos problemas. É aquela preocupação básica de prestar bastante atenção com seus objetos valiosos, não deixar nada valioso nos hotéis a menos que em cofre e andar com cuidado. Andamos a noite e em ruas desertas e não nos sentimos intimidados. Com medo sim porque somos brasileiros mas sem terror.

Cidade do México
É a capital, maior cidade do país e com a mesma população de SP. Adoramos a cidade que é muito ampla, verde, com calçadas largas e muito limpa. Tivemos experiências magníficas com a população, fomos ajudados sempre que precisamos, informações sempre corretas e precisas. Adoramos tudo: os museus, os parques, o centro, as ruas de compras (aqui como em SP tem ruas específicas para tudo: linha branca, eletrônicos, celulares, mercadoria roubada, ferramentas). Os museus e as igrejas são uma atração à parte. Nunca vimos uma cidade com tanto dos dois. As igrejas são obras de arte e os museus são suficientes para passar um mês na CDMX.

Como chegamos
De avião, vindos de São Paulo pela United Airlines (não aconselho: aeromoças estúpidas, serviço péssimo, ajuda nenhuma). Para ir do aeroporto até o centro da cidade tomamos o MetroBus que custa US$ 2.40 / 30 MXN. É só sair do aeroporto que você vê uns ônibus vermelhos parados. Saem a cada dez minutos. Só é possível usar com cartão. O cartão é vendido dentro do aeroporto em máquinas automáticas que NÃO DÃO TROCO. Custa US$ .80 / 10 MXN.

Como saímos
De ônibus para Oaxaca (sul). Usamos ônibus da Fypsa (pegamos no Metro Balbuena – Linha 1 – Linha Rosa). Saindo do metro, dirija-se a Calle 15, esquina com Cazada Ignacio Zaragosa (meia quadra da estação de metrô). A passagem pode ser comprada na hora. Pagamos US$ 24 / MXN 300. O ônibus é bom, meio sujo e meio mal cuidado. Para em todas as cidades que tenham passageiros para subir e para descer e a viagem durou 9 horas. Filmes durante todo o percurso com som altíssimo. Nenhuma parada para comer ou banheiro. Tem banheiro dentro do ônibus. Não recomendo. Use o ADO que é bem melhor e comprado com antecedência custa menos.

Hotel
Hostel Casa San Ildefonso
http://www.casasanildefonso.com/
San Ildefonso #38
Albergue localizado no Zócalo (centro histórico da CDMX) perto de tudo e perto do metro Zócalo. Localização excelente, serviço muito bom, quarto limpo, banheiro sempre limpo, café da manhã bom (banana, café, leite, cereais, geleias, suco e pão). Ficamos num quarto duplo com banheiro compartilhado. O quarto tem as camas e dois armários de metal onde podem ser usados cadeados para trancar. Se você tem sono leve, evite porque as portas são extremamente barulhentas e se tiver muita gente hospedada deve ser difícil dormir. Como era baixa temporada estava tranquilo. O hotel fica em uma casa ampla, linda, com pátio, pássaros, muito espaço para ficar. Tem wi-fi mas só funciona no pátio central ou no escritório. Disponibilizam um computador para os hóspedes. Tem toalhas e sabonetes. Não tem AC nem ventilador e nem cabides ou penduradores.
Pagamos US$ 50 / 620 MXN por quarto duplo com camas de solteiro.

Passeios

Teotihuácan, Basílica de Guadalupe e Praça das Três Culturas – Tlatelolco
Compramos no próprio hotel e passaram por lá para nos pegar e deixar. Saímos às 9 da manhã e voltamos às 17:30. Tudo o que foi prometido foi cumprido. As passagens pela praça e pela Basílica foram bem rápidas, paramos para almoçar em um restaurante que custou US$ 10.4 / 130 por pessoa e onde nos explicaram como é feito o mezcal e a tequila. O tempo passado nas pirâmides foi perfeito, conseguimos ver tudo e descansar. Pagamos US$ 40 / 500 MXN por pessoa.
Visitamos:
Tlatelolco – significa “monte de areia” e foi o mais importante centro de compras pré-hispânico do México. A Praça das Três Culturas é um lugar muito significativo da cidade do México, uma vez que reflete três fases importantes da história do México: pré-hispânicas, coloniais e contemporâneos e onde ocorreu um grande massacre muito falado no México.
Teotihuacan – era uma cidade da Mesoamericana pré-colombiana localizada no Vale do México, 30 milhas (48 km) a nordeste da CDMX, hoje conhecida como o local de pirâmides mesoamericanas mais significativos para a arquitetura das Américas pré-colombianas. Além das pirâmides, Teotihuacan também tem residenciais, a Avenida dos Mortos, murais vibrantes que foram excepcionalmente bem preservados. Também é conhecida por ter exportado cerâmica e ferramentas de obsidiana.
Basílica – não precisa de apresentação para quem conhece. É um importante centro de peregrinação para os católicos do mundo todo.

Xochimilco
É um dos bairros da CDMX. Antes era uma cidade independente e fica às margens do que um dia foi o lago Xochimilco, no período pré-hispânico. Hoje, o bairro é composto por dezoito “barrios” ou bairros desta cidade, juntamente com catorze “pueblos” ou vilas que a rodeiam. É muito conhecida pelos seus canais, que faziam parte de um extenso sistema de lagos e canais que com ilhas artificiais chamados chinampas, atrai turistas e outros moradores da cidade para andar em barcos tipo gôndola chamados “trajineras”. Não gostamos.
È um passeio completamente dispensável, é longe da cidade, demora muito para chegar, tivemos que andar muito e o passeio é completamente sem graça numa água limpa mas feia.
Fomos para Xochimilco de metro. Pegamos a linha 2 até o final (Tasquena), pegamos o trem ligeiro (tem que sair do metro e pagar novamente) até a estação Xochimilco e daí caminhamos até o Embarcadero Nativitas que é o maior, mais barato e principal. Nos finais de semana tem barcos coletivos que custam 20 por pessoa. Nos outros dias você tem que pagar US$ 28 / 350 MXN por barco com 20 pessoas. Não se deixe enganar, não pare em nenhum outro Embarcadero.
Depois do passeio de barco, faça o caminho de volta, desça na estação La Noria e vá até o Museu Dolores Olmedo. Vale a pena e a visita. O museu tem a maior parte das obras de Diego Rivera, é grátis às terças, nos outros dias custa US$ 5 / 60 MXN e fica numa casa lindíssima que foi da pessoa que dá nome ao museu. Tem pavões o o cão azteca sem pelo.

Museo Soumaya
O Museo Soumaya é um museu privado na área de Nuevo Polanco da Cidade do México. É propriedade da Fundação Carlos Slim e contém a arte extensa, relíquias religiosas, documentos históricos e coleção de moedas de Carlos Slim e sua falecida esposa Soumaya, do qual o museu foi nomeado. O museu abriga obras de muitos dos artistas europeus mais conhecidos do século 15 ao 20. Ele contém uma grande coleção de moldes de esculturas de Auguste Rodin. O prédio, uma estrutura de nuvem de prata brilhante que lembra uma escultura de Rodin, foi projetado pelo arquiteto mexicano Fernando Romero. Pegue a Linha 7 do metro e desça no metro Polanco. Daí, se tiver coragem, ande uma meia hora até o museu. Vale andar porque o bairro é muito bonito. Caso contrário pegue um táxi. A entrada para o museu é gratuita.

Museu de Antropologia
O Museu Nacional de Antropologia (MNA, ou Museu Nacional de Antropologia) é um museu nacional do México. É o museu mais visitado no México. Localizado na área entre o Paseo de la Reforma e Calle Mahatma Gandhi no Parque Chapultepec na Cidade do México, o museu contém artefatos arqueológicos e antropológicos representativos da herança pré-colombiana do México, como a Pedra do Sol (ou da pedra do calendário asteca) e a estátua asteca do século 16 de Xochipilli. Um dos melhores museus da América do Norte. Pode ver os artefatos e história de astecas, maias, Olmecas, e muitas culturas mesoamericanas. Planeje umas quatro horas para vê-lo. O piso térreo tem os principais artefatos, enquanto o piso superior pode ser na maior parte ignorado. Linha 1 do metro e desça em Chapultepec. Tem banheiros e entregam um mapa do museu. Aos domingos é grátis para todos. Pagamos US$ 5 / 59 MXN

Torre LatinoAmericano
Imperdível. Vista espetacular de toda a cidade. Fica no centro, perto do Bellas Artes (que de cima fica espetacular). Vá ao cair da tarde para aproveitar o entardecer e a cidade iluminada. Nãp fomos ao último andar. Descemos no 41o., entramos no bar Mirador, pedimos uma coca e uma cerveja. Gastamos US$ 7 / 90 MXN os dois. As entradas para o último andar custam US$ 6 / 70 MXN por pessoa. Economizamos e curtimos mais.

Movimentar-se na cidade
A CDMX é muito fácil. Tem 10 linhas de metrô e ônibus de toda as formas: normal, van, kombis. Para usar o metro e alguns ônibus é obrigatório comprar um cartão que custa US$ .80 / 10 MXN. Cada viagem de metro custa 5 pesos e de ônibus varia de 4 a 5 pesos. Não entre no metro sem antes pegar um mapa dele porque são muitas linhas e dentro do trem eles não avisam que estação você está. As estações tem nomes e figuras e os nomes são difíceis de dizer ou entender. Nem sempre tem as próximas estações indicadas em cada estação.

Onde comemos
Em todos os restaurantes colocam na mesa nachos ou pão, tortillas, molhos apimentados e isso não é cobrado.

Café El Popular (Centro) – Calle 5 de Mayo. Comemos o menú do dia (sopa, carne com arroz e feijão, água fresca e gelatina). Muito bom. Comida mexicana típica, simples. Pagamos US$ 5 / 60 MXN por pessoa.

Casa del Toño (Zona Rosa) – frequentado por mexicanos. Comida muito boa, tem tudo o que é típico. Comemos um combinado com tostada, 4 tacos e 2 refrigerantes. Pagamos US$ 4 / 50 MXN e foi suficiente para os dois.

Casa de Los Abuelos (Polanco) – frequentado por locais. Comemos uma quesadilla, uma tostada de frango com uma jarra de suco. Pagamos US$ 5.5 / 70 MXN por pessoa.

Las Margaritas (Zona Rosa) – simples, bem mexicano. Comemos o menu do dia muito bem servido com água de Jamaica (hibiscos) e bem feito. Pagamos US$ 5.5 / 70 MXN por pessoa

Dicas
– não deixe de pegar o mapa do metro em alguma bilheteria. É extremamente útil
– não conte com o balcão de informações turísticas do aeroporto. O atendimento é sofrível, eles não tem nenhuma vontade de dar informações e só explicam o básico depois de perguntar muito. Pegue todos os mapas das áreas da cidade que puder.
– para ir do aeroporto até a cidade a maneira mais barata e boa é pegar o ônibus que sai justo em frente do aeroporto e vai até o metro. Tem várias paradas nos metros e custa US$ 2,50 / 1.300 CLP.
– não deixe de ir tomar um café no Cielito que é uma tentativa de criar um Starbucks com cara do México. Lugar bonito, preço honesto e que te apresenta a a todos os tipos de café do México.
– não deixe de ir até a praça Garibaldi no final de semana (sábado à noite). A praça fica cheia de gente, famílias e Mariachis que se revezam tocando para todos (por uma gorjeta). As roupas são muito bonitas, o som é extremamente típico e o ambiente é bom. A redondeza é meio escura então vá acompanhado.
– vá até o Mercado Central de Coyoacán para ver e comer. Desça na estação Coyoacan e caminhe pelo bairro pela Av. México até chegar a Malintzin. Ande por ela até chegar ao mercado. Vale a pena conhecer o bairro.
– permita-se um dia inteiro no Bosque de Chapultepec e no Museu de Antropologia. Os dois merecem.
– todos os museus e palácios fecham às segundas. Planeje ir para as pirâmides nesse dia. O Museu de Antropologia é grátis aos domingos.
– não pague a entrada da Torre LatinoAmericana. Vá até o 41 andar, ao bar Mirador, peça uma cerveja e veja a mesma paisagem do último andar.

Oaxaca
É uma cidade pequena mas com toda a infraestrutura necessária. Fomos a Oaxaca por dois motivos: era caminho para Cancun e estava no nosso roteiro de ônibus e queríamos ver Monte Alban e a Cascata Petrificada. Oaxaca é uma cidade muito graciosa, tipicamente mexicana segundo nossos clichês, muita limpa e organizada com comida excepcional e muito mezcal. O centro histórico, Zócalo, é muito bem cuidado, bonito e cheio de lojas e restaurantes. Os mercados também são típicos e muito interessantes. Adoramos a cidade, fomos embora com saudades.

Como chegamos
De ônibus vindo da CDMX. Viemos em uma companhia chamada Fypsa que não aconselho. O ônibus é bom, confortável mas a viagem demorou 9 horas. Parou em todos os cantos do mundo para subir e descer passageiros mas não parou nenhuma vez para banheiro ou comer. Chegamos ao destinos verdes de fome. Sem dizer que durante a viagem toda entra todo o tipo de ambulantes para vender coisas. Som altíssimo o percurso todo. Saímos às 10:30, chegamos 18:30. Para no Terminal de Autobuses de Segunda Classe que fica mais perto do Zócalo (centro). Pagamos US$ 24 / 300 MXN cada.

Como saímos
De van para Pochutla (cidade mais próxima da praia do Pacífico). O ônibus da ADO até Pochutla faz um caminho menos perigoso mas leva 10 horas. Escolhemos a van por dois motivos: tempo menos e preço menor. Cabem 12 pessoas na van e ela para ao longo do percurso para pegar e deixar gente. Usa uma estrada que está em manutenção e que é extremamente tortuosa. Só para corajosos. Pagamos US$ 14 / 170 MXN cada. Saímos às 8:30 da manhã e chegamos em Pochutla às 15:30. Parou uma vez para comer em um lugar que eu não aconselho. Melhor levar lanche. De Pochutla pegamos uma caminhonete (transporte coletivo aqui) por US$ 1.30 / 16 MXN até Zipolite que era o destino final. Usamos a Eclipse 70, Armenta y López, 504, Centro. As vans começam às 3:30 am e vão até 12:20 de hora em hora. Teoricamente chegaríamos em 6 horas. Estrada em obras demorou mais.

Hotel
Hotel Posada del Centro
http://www.hotelposadadelcentro.com/
Av. Indenpendencia 403, Centro Histórico
Fica a duas quadras do Zócalo (centro histórico), localização excelente. Não fique perto da recepção, quarto 7 e 9. Muito barulho de gente que chega e sai e do café sendo feito de manhã. Uma cama de casal e uma de solteiro, um armário de madeira que permite que seja colocado um cadeado. Tem dois ventiladores em cada quarto. Dão toalhas. Limpam todos os dias e trocam as toalhas, Banheiros muito limpos e sempre com tudo. Seis quartos com banheiro compartilhado, dois chuveiros e um lugar para trocar de roupa, dois toaletes. Água quente o dia todo. De manhã fornecem café com leite e biscoitos. Não é café da manhã é uma cortesia. Também deixam água potável a disposição dos hóspedes. Não tem cozinha mas colocam um micro-ondas e uma geladeira a disposição. Wi-fi bom no quarto. Equipe extremamente dedicada, prestativa e competente. Infelizmente nosso quarto tinha percevejos (bed bugs). Nos trocaram de quarto, fizeram um upgrade para um quarto melhor (com TV, banheiro privativo), devolveram a diária. Pagamos US$ 24 / 300 MXN por quarto duplo com banheiro compartilhado. Para chegar, saia da rodoviária, pegue a Las Casas e a Calle Valerio Trajano. Caminhe até a Diaz Ordaz, vire a esquerda e está na rua do hotel.

Passeios

Monte Alban
Esse é um passeio fácil e bonito. Monte Albán é um grande sítio arqueológico pré-colombiano. A uma altitute de 1.940 m, numa montanha nivelada artificialmente ficam centenas de terraços artificiais, e uma dúzia de conjuntos de arquitetura amontoada cobrindo todo o lugar. Além de ser uma das primeiras cidades da Mesoamérica, Monte Albán foi centro sócio-político e econômico zapoteca preeminente por quase mil anos. Fundada por volta de 500 AC se tornou a capital de uma política expansionista em grande escala que dominou a maior parte do planalto de Oaxaca e interagiram com outros estados mesoamericanas regionais como Teotihuacan.
Não deixe de passar algum tempo no museu. É pequeno mas muito interessante. Explica até a medicina da época. No local tem banheiros. Sentimos falta de um mapa do local. Cada ruína tem sua explicação mas não tem um roteiro para ser feito.
Para chegar: Vá até Calle Mina 501 em frente ao Hotel Riviera, Autobuses Turísticos S.A de C.V.. Os micro-ônibus saem de hora em hora, levam meia hora para chegar até lá. Para voltar pegue o micro-ônibus da mesma linha. O último sai às 17:00 que é quando fecha o parque. Os locais pagam menos mas vale o custo. Pagamos US$ 4 / 50 MXN a viagem ida e volta. Para entrar paga-se US$ 5 / 59 MXN.

Cascata Petrificada – Hierve el Agua
Chama-se Hierve el Agua (a água ferve) por que a agua borbulha para sair do chão mas na verdade ela vem na temperatura ambiente. Fomos de maio para nadar mas estava fria até para os alemães. Desistimos. A água saindo do chão é interessante mas o mais bonito é a Cascata Petrificada que lembra Pamukale na Turquia. É um conjunto de formações rochosas naturais que está localizado a cerca de 70 km a leste da cidade de Oaxaca, passado Mitla. O site é composto por duas formações rochosas que se erguem entre cinquenta e noventa metros do vale abaixo, a partir do qual se estendem formações rochosas quase brancas que se parecem com cachoeiras. A água é saturada de carbonato de cálcio e outros minerais. Os minerais escorrem e ficam depositados como cachoeiras. Existem duas grandes piscinas artificiais para natação, uma delas bem perto do precipício, bem como uma série de pequenas piscinas naturais. Creio que é O passeio em Oaxaca. Banheiros horríveis e pagos no local.
Para chegar: Fomos até a Estação de ônibus de Segunda Classe e pegamos um ônibus normal de linha até Mitla. De lá pegamos um colectivo que é uma caminhonete com bancos atrás. Voltamos do mesmo modo. Tem ônibus a cada meia hora para Mitla. Chegando lá pegue uma dessas caminhonetes amarelas. Não pegue as cor de café porque essas não podem entrar no parque e você terá que andar cerca de 1 km. Na volta faça o mesmo, pegue as amarelas.
Ônibus até Mitla: US$ 1.30 / 16 MXN – cada sentido
Caminhonete: US$ 3.20 / 40 MXN – cada sentido
Entrada no parque: US$ .80 + 2 / 10 + 25 MXN

Movimentar-se na cidade
A cidade é pequena e tudo o que é interessante nela é possível fazer a pé e é um prazer andar por ruas tão bonitas, cheia de lojas e artesanatos.

Dicas
– Não deixe de comer o Mole porque é o prato mais típico do local e a cidade é conhecida por isso. Peça algo pequeno porque é muito estranho ao nosso paladar. É meio doce e meio apimentado
– Vá tomar nieve de tuna e de leche quemada. Tuna é um cacto e leche quemada é um sorvete de leite com gosto de lareira. Na Nieves Chonita, no Mercado 20 de Noviembre, ele te deixa experimentar todos os outros sabores estranhos antes de escolher.
– A Igreja de Santo Domingo é imperdível.
– Os mercados são sempre uma oportunidade única de conhecer os costumes do povo. Visite o 20 de Noviembre eo Benito Juarez um colado no outro. No sábado vá até o Mercado de Abastos (tem todo dia mas sábado vem gente de toda a região vender produtos) perto da Rodoviária de Segunda. É um mercado enorme com tudo e mais um pouco.
– Se tiver tempo vá passear no Jardin Etnobotánico. Por 50 MXN você tem um tour com explicações sobre as plantas da região
– Os produtos mais famosos de Oaxaca são o mezcal, o chocolate e o mole (mistura de temperos usados para fazer um molho) de frango, carne ou porco. Experimente todos. Pule os chapolins (grilos fritos) com pimenta.
– O melhor supermercado tamanho /preço é um Pitico que fica pertinho da Estação de Ônibus de Segunda Classe.
– 0 melhor câmbio continua sendo no ScotiaBank

Zipolite
É uma pequena cidade na Baia de Huatulco, meio hippie com praia nudista e com pouca infraestrutura. Paramos apenas para ver o oceano Pacífico e descansar das férias. Mar bonito mas muito bravo. Baixa temporada os restaurantes só abrem para o jantar. Alguns mercadinhos a preços módicos mas mais caros que nos grandes supermercados.

Como chegamos
De Oaxaca vindo de van para Pochutla (cidade mais próxima da praia do Pacífico). O ônibus da ADO até Pochutla faz um caminho menos perigoso mas leva 10 horas. Escolhemos a van por dois motivos: tempo menos e preço menor. Cabem 12 pessoas na van e ela para ao longo do percurso para pegar e deixar gente. Usa uma estrada que está em manutenção e que é extremamente tortuosa. Só para corajosos. Pagamos US$ 14 / 170 MXN cada. Saímos às 8:30 da manhã e chegamos em Pochutla às 15:30. Parou uma vez para comer em um lugar que eu não aconselho. Melhor levar lanche. De Pochutla pegamos uma caminhonete (transporte coletivo aqui) por US$ 1.30 / 16 MXN até Zipolite que era o destino final. . Usamos a Eclipse 70, Armenta y López, 504, Centro. As vans começam às 3:30 am e vão até 12:20 de hora em hora. Teoricamente chegaríamos em 6 horas. Estrada em obras demorou mais.

Como saímos
Para San Cristobal de las Casas em ônibus ADO finalmente. Ônibus muito bom, cadeiras largas, cinto de segurança, TV e banheiro a bordo. Saímos de Pochutla às 20:00 pontualmente. O ônibus já vem com gente (não é ponto inicial) mas como é baixa temporada cada um de nós usou dois bancos para dormir. Metade do pessoal era local e metade era turista. Deveria demorar 12 horas de viagem mas como houve um acidente na estrada demorou 4 horas a mais. Chegamos em SCLC às 11:00 da manhã. Viagem sem problemas. A estrada tem um trecho bastante tortuoso e é difícil dormir mas no geral tranquila. Pagamos US$ 44.30 / 556 MXN.

Hotel
Posada San Cristobal
http://www.posadasancristobalzipolite.com//
Final da Calle Adoquim
A cidade tem duas ruas então não é difícil achar. Descendo do colectivo, basta andar dois quarteirões a direita e já chegou a rua.
Água ao natural, quarto grande com cama King size, mesa duas cadeiras, frigo bar, armário possível usar cadeado e trancar, baixa temporada não tinha muito barulho, em frente à praia, o quarto abre o balcão para o mar, não tem café da manhã mas tem restaurante bom e a preços do resto do México, o hotel é administrado por uma família, gente muito boa, muito prestativos, limparam todos os dias e trocaram as toalhas. Fornecem toalhas, shampoo e sabonete. Não tem água quente. Nos receberam com uma água de coco gelada. Wi-fi funciona no hotel todo, na praia e no quarto. Nos deram um late check-out. Ficamos no quarto 2. Pagamos US$ 32 / 400 MXN por quarto com banheiro privativo. Recomendamos muito o hotel. Seguro e limpo.

Passeios
Como disse fomos apenas para descansar, lavar roupas, fazer posts, recuperar dos dias anteriores. Um passeio legal é ir para Mazunte, a praia ao lado mas no dia que decidimos ir choveu o dia todo. Mazunte é bonita e tem mais infra que Zipolite. Tem também a Reserva das Tartarugas.

Movimentar-se na cidade
Duas ruas principais não é preciso falar nada. Para chegar e sair é só andar uns três quarteirões e pegar o colectivo para qualquer lado: o lado de Mazunte ou de Puerto Angel. Puerto Angel é mais barato e mais rápido.

Dicas
– se não gostar de apreciar gente andando pelada na praia, não vá. Principalmente homens passam tranquilamente em frente à sua cadeira de praia
– se quiser economizar em supermercado, faça as compras na Bodega Aurrera, na rua principal de Pochutla porque em Zipolite é um pouco mais caro

San Cristobal de Las Casas
É uma cidade bastante turística, muito graciosa, organizada, arrumadinha e com uma queda para o lado Europeu com cafés, cantinas, pizzarias e muitas lojas de joias de âmbar e artesanato local. Nas proximidades existem várias cidades e aldeias de nativos indígenas. Eles usam roupas e cabelos diferentes, se parecem muito com o povo de Sapa no Vietnã, tem olhinhos puxados e pele mais escura isso dá a cidade um ar todo diferente. Esse pessoal passando de lá prá cá deixa a cidade com ar de interior étnico. Adoramos. Se a gente soubesse como era bonita a cidade não teríamos parado na praia. Teríamos ficado aqui para descansar. E também comer bem.

Como chegamos
De Pochutla em ônibus ADO finalmente. Ônibus muito bom, cadeiras largas, cinto de segurança, TV e banheiro a bordo. Saímos de Pochutla às 20:00 pontualmente. O ônibus já vem com gente (não é ponto inicial) mas como é baixa temporada cada um de nós usou dois bancos para dormir. Metade do pessoal era local e metade era turista. Deveria demorar 12 horas de viagem mas como houve um acidente na estrada demorou 4 horas a mais. Chegamos em SCLC às 11:00 da manhã. Viagem sem problemas. A estrada tem um trecho bastante tortuoso e é difícil dormir mas no geral tranquila. Pagamos US$ 44.30 / 556 MXN.

Como saímos
Saímos para Palenque. Pegamos uma excursão que ia até Palenque passando por três lugares turísticos interessantes e que ficava mais barato que ir de ônibus e fazer esses passeios em separado. Nos pegaram no hotel às 5 da manhã, no caminho param para o café da manhã (por sua conta) e depois passam pelas Cascatas de Água Azul. Depois em Misol-há, mais cascatas, onde tem almoço (por sua conta) e aí chegam na Zona Arqueológica de Palenque. Desse ponto você pode voltar para San Cristobal ou eles te deixam na estação ADO de Palenque que foi o que fizemos. Nos deixaram às 18:00 em Palenque. Se retornar para SCLC deve chegar às 22:00.
Compramos essa excursão direto na operadora Otisa
http://www.otisatravel.com/index.php?idpagina=4
Pagamos US$ 28 / 350 MXN.

Hotel
Hotel Real de Valle
Calle Real de Guadalupe 14, San Cristóbal de las Casas, Chiapas, México
Localização excelente. Água quente o dia todo e bem quente. Wi-fi que funcionava no quarto 201 muito bem. As paredes são feitas de papelão e é bem barulhento. Escuro, úmido e com cheiro de mofo. Tivemos dois tipos de toalhas: umas horríveis: pequenas, finas e que não secam e toalhas normais. Limpavam todo dia e colocavam garrafas de água, sabonetes e toalhas novas. Apenas uma tomada no quarto e uma no banheiro. Seguro e eficiente. Não tivemos nenhum problema. Não é um hotel chique ou romântico mas muito bom. Deixavam duas garrafas de água mineral por dia e sabonetes. Atendimento excelente Pagamos US$ 40 / 500 MXN por dia, para quarto duplo com banheiro dentro.

Passeios
Cañon del Sumidero
Imperdível e passeio principal de SCLC. Fizemos uma excursão com a Otisa (operadora) / Jalapeño Tours (agência), pagamos US$ 20 / 250 MXN. Como o passeio consiste em transporte até o local, um passeio de barco pelo cânion e uma passada em Chiapa del Corzo que é a cidade “dona” do cânion nós acreditamos que dá para fazer por conta mas não quisemos arriscar pelo pouco tempo e pelas distâncias. O passeio de barco no local custa US$ 2.31 / 29 MXN. Foi tudo corretamente cumprido sem nenhum problema. A agência era em frente ao hotel, na Real de Guadalupe nr 3, Marcaram às 9:00 da manhã, saímos às 9:30 e voltamos às 14:30. Não esqueça de passar bastante protetor, usar um chapéu que não voe e tire toda as fotos na ida. A volta é a grande velocidade.

Chamula
É um povoado muito perto de SCLC, cerca de 30 minutos em colectivo. Fomos no domingo porque é o dia mais movimentado e é possível ver muito mais gente. São três ruas ao redor da praça mas é muito diferente. Os nativos locais, chamados Tzotzil são indíos maias, levam sua produção para o local para vender. Quase 100% da população fala a língua Tzotzil. Eles se vestem de forma muito diferente.Os homens com ponchos de lã e as mulheres com uns pedaços quadrados de lã de ovelha tingido de preto, usado como saia, preso por um cinto bordado colorido e com blusas bordadas e cheias de cores. Na cabeça colocam lenços coloridos que fazem a vez de um chapéu. Como chegar: caminhamos pela 20 de Noviembre até a uma rua depois da Real Mexicanos. Virando a esquerda está o terminal de transporte para Chamula, entre a 20 de Noviembre e a 16 de Septiembre. Tomamos o colectivo. Pagamos US$ 1.2 / 15 MXN por pessoa cada trecho.

Movimentar-se na cidade
A cidade é pequena e dá para andar para todos os lados. Se quiser ir mais longe tem colectivos para todos os cantos inclusive para os supermercados maiores.

Dicas
– Café é o ponto alto da cidade. A região deve ser produtora de café então em todo lado tem cafés bonitos, bem arrumados e com jeito europeu. Também tem torrefadores que deixam aquele cheirinho bom de café no ar.
– Vá para Chamula por sua conta. É mais simples, mais barato e fácil
– Andar pela cidade já é um passeio, toda a parte central é extremamente bonita e charmosa
– Comemos um dia no Maya´e na 20 de Noviembre. Delicioso, restaurante com jardim, menu do dia a 70 MXN.
– Comemos também no El Rincón del Toro na Real de Guadalupe. Suba para o piso superior, as mesas ficam penduradas na rua. É muito agradável. Delicioso com um ambiente ótimo. Pagamos 70 MXN pelo menu do dia.

Palenque
É outra parada obrigatória na Rota Maya, cheia de ruínas famosas. A cidade em si não tem muito, é uma cidade normal. É uma parada estratégica entre SCLC e Mérida e o ponto de chegada e a saída para vários passeios, inclusive para a Guatemala.

Como chegamos
Chegamos de San Cristobal. Pegamos uma excursão que ia até Palenque passando por três lugares turísticos interessantes e que ficava mais barato que ir de ônibus e fazer esses passeios em separado. Nos pegaram no hotel às 5 da manhã, no caminho param para o café da manhã (por sua conta) e depois passam pelas Cascatas de Água Azul. Depois em Misol-há, mais cascatas, onde tem almoço (por sua conta) e aí chegam na Zona Arqueológica de Palenque. Desse ponto você pode voltar para San Cristobal ou eles te deixam na estação ADO de Palenque que foi o que fizemos.
Compramos essa excursão direto na operadora Otisa que fica na Calle Guadalupe Real e pagamos US$ 28 / 350 MXN.

Preços das atrações para quem quer ir por conta:
Cascatas de Água Azul: 30 MXN
Misol-Ha: 10 MXN
Sítio Arqueológico de Palenque: 59 MXN

Como saímos
Em ônibus ADO, única opção na cidade, para Mérida. Ônibus bom, tranquilo, viagem de 9 horas. Fomos parados no caminho, nas fronteiras entre estados, duas vezes e tivemos que mostrar o passaporte com o papel que eles dão na entrada. Pagamos US$ 42/ 536 MXN cada.

Hotel
Hotel / Posada Águila Real
http://www.hotelaguilarealpalenque.com/work/index.html
Água ao natural mas o lugar é quente, wi-fi no quarto e bom, AC e ventilador, iluminação ótima e TV a cabo. Limpo, simples, a fachada não deixa imaginar o interior do hotel. Melhor entrar e conhecer. Banheiro bom com pia grande, tudo novo e bonito. Cama king size. Sem armário. Duas tomadas no quarto. Não tem café da manhã mas o pessoal é extremamente prestativo. Muito bom e extremamente bem localizado a 10 quadras da estação da ADO (ônibus). Forneceram toalhas, sabonetes e shampoo. Limparam todos os dias. Foi um dos melhores hotéis que ficamos no México. Pagamos US$ 24 / 300 MXN por quarto com banheiro e AC.

Passeios

Yaxchilan e Bonampak
É um passeio conjunto desses dois lugares, caro, cansativo e toma todo o dia. Saímos às 6:00 e voltamos às 19:30. Muito tempo dentro da van que é confortável. Chegamos até a fronteira com a Guatemala. O passeio é todo uma aventura. Saímos no escuro, depois de uma hora paramos para tomar café da manhã. O café da manhã está incluído no passeio. Creio que uns 40 minutos depois saímos para mais uma hora de estrada e chegamos ao rio que separa o México da Guatemala. Pegamos um barco por mais uma hora e chegamos a Yaxchilan. No caminho vimos alguns crocodilos. Tivemos duas horas para andar pelas ruínas. Mais uma hora para voltar e almoço também incluído no passeio. Almoço simples com sucos e sem sobremesa. Mais uma hora até Bonampak, uma hora no local e retorno de 2:30. Nós gostamos muito. Yaxchilan é muito parecido com Angkor Wat no Camboja, as ruínas foram encontradas no meio da selva e deixadas ao natural então a selva e os macacos rodeiam as pirâmides. É muito original. Bonampak são apenas três murais mas que conservam até hoje as cores naturais e são lindos e perfeitos. Nos dois locais, que pertencem aos nativos, são oferecidos guias locais por aproximadamente US$ 4 / 50 MXN. Os locais não tem mapas e as excursões não fornecem guias. Os motoristas agem como informantes dos horários.
Entradas: Bonampak – 48 MXN / Yaxchilan – 45 MXN
Pagamos US 48 / 600 MXN por pessoa (com desconto por pagar em dinheiro). Não acreditamos que seja possível fazer por conta própria porque são tipos diferentes de transporte e os nativos tomam conta dos locais e são algumas vezes mais agressivos.
Fomos pela Travel Agency Kichan Bajlum que é uma operadora. http://www.kichanbajlum.com/

Sítio / Zona Arqueológico de Palenque
Fizemos esse passeio vindos de SCLC. Creio que estando em Palenque esse passeio é imperdível porque está próximo da cidade e é o passeio principal do destino. Não tem como fugir. A entrada custa US$ 4.70 / 59 MXN.

Movimentar-se na cidade
A cidade é pequenas e fizemos tudo a pé. Perto do hotel tinha de tudo o que era necessário inclusive um Banco Azteca para o câmbio, agência de turismo e supermercados.

Dicas
– Jantamos no El Herredero na rua principal onde tem também a agência de turismo. Simples, comida caseira e boa. Preços normais de México, por volta de 70 MXN por pessoa.
– Se você precisa cuidar da burocracia: câmbio, comida, passagem de ônibus, etc não fique no famoso El Panchan. El Panchan é um grupo de hotéis de selva que ficam a 7 kms da cidade. Você ficará isolado de tudo, sem wi-fi, sem AC, num calor de selva e com muitos insetos ao redor. Todos que encontramos que ficaram lá odiaram.
– No caminho para Mérida, fica Uxmal. Se você chegar até Mérida terá que pagar para voltar e ver o lugar. Estude um modo melhor. Não sabíamos disso e perdemos o passeio.

Mérida
É a capital do estado de Yucatan e a maior cidade do estado, creio que 1 milhão de habitantes. Ainda assim guarda muito de cidade do interior. É uma cidade muito amigável para os turistas, tem várias atividades grátis e, acima de tudo, representa o que há de melhor em Yucatan: povo, comida, danças. Adoramos a cidade.

Como chegamos
De Palenque. Em ônibus ADO, única opção na cidade. Ônibus bom, tranquilo, viagem de 9 horas. Fomos parados no caminho, nas fronteiras entre estados, duas vezes e tivemos que mostrar o passaporte com o papel da imigração que eles dão na entrada. Pagamos US$ 42/ 536 MXN cada.

Como saímos
Para Valladolid em ônibus da ADO. A primeira viagem sem nenhuma ocorrência que tivemos. Três horas de viagem em ônibus bom com AC, banheiro e filmes. Paramos em duas cidades no caminho. Pagamos US$ 14 / 176 MXN cada.

Hotel
Hotel Lord
http://www.hlord.com/index.php/en/
Calle 63 516 x 62 y 64, Centro, 97000 Mérida
Hotel bem simples, creio que para quem está a negócios na cidade. Extremamente bem localizado perto do Zócalo (centro histórico). Duas camas com colchão meio macios, travesseiros duros, TV a cabo, ventilador, mesa e cadeira mas sem armário, banheiro bom com lugar para roupas mas com água fria, wifi no quarto e bom. Fornecem toalhas, sabonete e shampoo. Limparam todos os dias e trocaram as toalhas. Equipe excelente como aliás em todo o México. Tem estacionamento. Com AC fica mais caro. Baixa temporada, pouca gente e nós não ouvimos barulho. Nenhum problema de segurança. Nós pagamos US$ 24 / 300 MXN.

Passeios

Cenotes de Cuzamá
Cenotes são um buraco na terra ou um colapso de terra que coloca a mostra a água subterrânea. Explicado assim não tem graça e no entanto são muito bonitos. Alguns com jeito de caverna outros com jeito de lago subterrâneo. Acontecem muito em toda a península de Yucatan. Creio que só acontecem no México. Os de Cuzamá agora estão na moda pelo jeito pitoresco de vê-los e porque um deles é magnífico.
Como chegar: Pegamos um colectivo (van) até o centro de Cuzamá. Tem que pedir para ser deixado no parador. Os colectivos saem da Calle 50 x 65 x 67. Ficam parados na rua mesmo. Do parador pegamos um moto-táxi para duas pessoas até onde ficam os truks. Os truks e, apenas eles, podem te levar para ver os três cenotes. São dois cenotes bonitos e diferentes e um maravilhoso de água azul, transparente e deliciosa para tomar banho. Vá de maio por baixo, leve uma toalha e equipamento de snorkel. Tem lugar para trocar de roupa mas você perde tempo. Melhor ir já vestido e arrumar uma turma para dividir o truk.
Ônibus até Cuzamá – US$ 2 / 24 MXN cada pessoa cada trecho
Moto-táxi até os trucks – US$ 1 / 10 MXN por pessoa
Truks para ver os cenotes – US$ 24 / 300 MXN para cinco pessoas por três horas de passeio

Progreso
É uma cidade de praia no Golfo do México. A praia é muito bonita, o calçadão também. Não tem infraestrutura (banheiros, chuveiros) então vá preparado. Se você quiser ter mais mordomia, sente em um dos restaurantes da praia e consuma. Dessa forma você terá a praia, cadeiras, banheiro, tudo. Nós ficamos no Pulpo Loco, almoçamos dois PF (prato feito) mexicano por US$ 14.80 / 180 MXN. A cidade é cheia de lojinhas mas todos os restaurantes razoáveis estão na praia.
Como chegar: pegamos um colectivo na AutoProgreso na Calle 50 perto da Calle 65. É uma estação que só vai para Progreso a van sai assim que enche. Uma atrás da outra. Pagamos US$ 1.3 / 16 MXN cada trecho cada um.

Movimentar-se na cidade
Apesar de ser uma capital fizemos tudo a pé. Andamos bastante mas o mais importante e as estações de transporte são todas perto do Zócalo.

Dicas
– Não deixe de passar no Centro de Informações Turísticas da cidade que fica no Zócalo em frente ao Palácio do Governo e da praça. Eles são ótimos, informaram tudo e nos deram várias sugestões. Deram os mapas, a revista sobre Yucatán e os horários e locais dos shows
– Toda noite tem um show grátis e diferente, e são muito bons, acontecendo. Vale a pena ver pelo menos o jogo de pelotas maia.
– Comemos no Trapiche, na Calle 63. É um restaurante simples e com preço médio. Nos foi indicado pelo hostel e gostamos. Serviço muito demorado. Pagamos US$ 12 / 150 MXN para os dois com suco.
– Não deixe de fazer a excursão a pé gratuita oferecida pela oficina de turismo da cidade. Pergunte os horários e dias.

Valladolid
É uma parada estratégica para ir visitar Chichen Itzá. De Valladolid é possível pegar um ônibus de linha normal até lá, é perto e fácil. A cidade é um encanto. Pequena, colonial, típica, tem de tudo o que é necessário e tem um cenote bem no centro. Valladolid não é apenas Chichen. Dali também é possível ir até Ek Balam (ruínas e cenote) e chegar a mais 3 cenotes até de bicicleta. Adoramos a parada.

Como chegamos
Chegamos de San Cristobal. Fomos em ônibus da ADO. A primeira viagem sem nenhuma ocorrência que tivemos. Três horas de viagem em ônibus bom com AC, banheiro e filmes. Paramos em duas cidades no caminho. Pagamos US$ 14 / 176 MXN cada.

Como saímos
Para Playa del Carmen em ônibus ADO. Outra viagem sem nenhuma ocorrência, tranquila, três horas de viagem com uma parada em Tulum e outro em outra cidade. AC forte. Pagamos US$ 14 / 176 MXN cada.

Hotel
Hostel La Candelaria
Calle 35, no 201-F x 42 and 44, Valladolid, Mexico
O hostel é perfeito. Não tem nada que a gente precise em um hostel que eles não tenham. Todos os quartos tem armário que é possível trancar. Tem ventilador, wi-fi não pega nos quartos. Tem duas cozinhas equipadas e uma é em um jardim (cheio de pernilongos) mas maravilhoso. Tem água potável disponível assim como temperos para cozinhar (alho, sal, óleo). O café da manhã inclui ovos preparados ao seu gosto, pães, cereais, leite e café, geleias, mel, frutas (banana e melancia). Inúmeros banheiros sempre limpos e completos. Equipe sensacional.
Pagamos US$ 25/ 315 MXN por quarto privado com uma cama de casal e duas de solteiro.

Passeios

Chichen Itzá
Dispensa apresentações. Foi uma enorme e uma das maiores cidades maias. É uma cidade mística, pré-colombiana. É a zona arqueológica mais visitada do México, estima-se 1.2 milhões de turistas por ano. Então não será você a perder, certo? Vale cada peso pago.
Pagamos US$ 14 / 204 MXN a entrada.
Como chegamos: Pegamos uma van (colectivos) na Calle 39 com a Calle 44 quase chegando a ADO vindo do nosso hostel. É possível ir com ônibus normal de linha da rodoviária mas os horários são mais restritos. Pagamos US$ 2 / 25 MXN cada trecho. Para voltar é só sair das ruínas e esperar passar ou o ônibus ou a van.

Tour Tequila
É um passeio gratis de uma empresa que faz e vende Tequila. Mostram, na teoria, como se faz a tequila, no final tem degustação e você pode comprar alguma se quiser. Simples e pessoal muito bom. Grátis. Fica logo no começo da Calle de los Frailles.

Cenote Zaci
No meio da cidade, na Calle 39 com a Calle 36 fica o cenote. Não é o mais bonito que vimos mas é bonito e representa bem o que é um cenote. A água fresca nos dias quentes é uma delícia. Dizem que tem restaurante e artesanatos mas como fomos na baixa temporada não havia nada. Vale a pena visitar se tiver tempo pelo fácil acesso e preço baixo (em Playa del Carmen pagamos três vezes mais). Pagamos US$ 2 / 25 MXN cada para ficar o tempo que quiser. Horário: 8-17. Banheiro pago.

Movimentar-se na cidade
A cidade é pequenas e fizemos tudo a pé. O hostel aluga bikes para você ir até os cenotes ou passear pela cidade.

Dicas
– Leve muita água e muito protetor solar para Chichen. Vá logo cedo para aproveitar o fresco da manhã
– Não deixe de ir ver o Cenote do centro. Ele é diferente. Se possível vá com o sol a pino para ver a água melhor
– Arrume uns companheiros e faça a tour da Tequila
– A cidade tem vários supermercados bons. Para comprar cerveja tem que pagar o casco mas eles devolvem depois se você mostrar o tíquete.

Playa del Carmen
É um excelente ponto de partida para ir para Akumal, Tulum, cenotes, Cozumel e até Cancun. Tem transporte para todos os lugares a preços razoáveis, o dia todo e rápido. É uma cidade extremamente turística, os preços são em dólares, cheia de lojas internacionais. A cidade é graciosa mas não parece México. Os hotéis são mais caros que o resto do país. De mexicano mesmo só os trabalhadores. Na rua só turistas. Ainda assim tudo tem tabelas de preços e não tentam enganar tanto as pessoas. A praia da cidade também é muito bonita e andar por ela é um prazer.

Como chegamos
Chegamos de Valladolid. Para Playa del Carmen em ônibus ADO. Outra viagem sem nenhuma ocorrência, tranquila, três horas de viagem com uma parada em Tulum e outro em outra cidade. Pagamos US$ 14 / 176 MXN cada.

Como saímos
Saímos para Los Angeles pela United Airlines a partir de Cancún. Para ir até o aeroporto de Cancun tomamos um ônibus da ADO, sai da 5 Avenida em Playa del Carmen e vai até o aeroporto. US$ 12 / 140 MXN cada. Sai um a cada meia hora.

Hotel
Hotel Alux
http://www.booking.com/hotel/mx/alux-playa-del-carmen.html
Excelente localização, perto da 5ª (que é onde tudo acontece) e perto do Wallmart, Pelicano supermercado e do Oxxo (loja de conveniência). Limpo, limpavam todos os dias e trocavam as toalhas, forneciam sabonete e shampoo. Água filtrada e gelada fica no lobby à disposição dos hospedes. Água quente para o banho mas com chuveiro péssimo, wi-fi no quarto funcionando bem. Cama pequena para dois, tem AC, uma bancada de cozinha com pia. Não existe armário no quarto para usar com cadeados. Tv a cabo. Equipe atenciosa mas o hotel fica meio abandonado porque são famílias que cuidam. Tem estacionamento. O hotel fecha às 23 e eles avisam quando você chega. Isso pode ser complicado para quem vai para Playa e queira ir para as festas que ocorrem todas as noites até às 6 da manhã. Pagamos US$ 40 / 500 MXN por quarto com AC, banheiro dentro, balcão e pia.

Passeios
Cozumel
Micaço. Se você gosta de mergulhar e quer gastar Cozumel é o lugar mas contrate seu passeio a partir de PDC. Fora isso não tem nada na cidade. É uma cidade turística normal, cara para os padrões mexicanos e que não tem condução pública para lugar algum. O ferry é caro e quando você chega lá tem que pagar táxi, alugar um carro ou caminhar pelas lojinhas e ir embora porque todas as praias bonitas ficam do lado oposto da ilha. Tem dois ferries que fazem o trajeto. Pela Mexico Waterjets custa US$ 12.91 / 162 MXN cada parte da travessia. Pela Ultramar custa US$ 12.99 / 163 MXN. O tempo é o mesmo, a travessia é igual. O que varia são os horários. Eles saem do mesmo lugar que é na final da Benito Juarez. Na volta a Ultramar tinha música ao vivo. ATENÇÃO: não compre a ida e a volta para não ficar micado com a obrigação de voltar com uma delas. Comprar antes não tem desconto.
Chegando em Cozumel alugamos duas bicicletas na Express Rental (na rua bem em frente de onde sai o Ferry) e pagamos US$ 17 / 210 MXN pelas duas para o dia todo (até às 17:00)

Tulum
Imperdível. Se você chegou até aqui tem que ir até as ruínas a beira do mar do Caribe para conhecer. São lindas, não muito grandes mas o visual é imperdível. Planeje o dia todo porque depois das ruínas você pode caminhar até a praia de Tulum que é lindíssima. Não esqueça de passar e levar protetor solar e muita água. Para a praia o de sempre. Para chegar, tomamos uma van de linha na Calle 2 Norte por US$ 3.20 / 40 MXN cada e para cada trecho. Para entrar nas ruinas custa US$ 4.70 / 59 MXN por pessoa. Para voltar, saímos da praia, caminhamos até o mesmo lugar onde descemos e pegamos a van. Das ruínas basta sair, caminhar a esquerda que chega a praia. É uma caminhada de uns 20 minutos. Tudo muito simples e fácil. Vá cedinho porque os ônibus de excursão começam a chegar às 11:00 e lota e também por conta do calor. Dentro das ruinas tem banheiro grande e lojas de artesanatos.

Akumal
Também imperdível. A praia é linda, o mar é maravilhoso e é possível nadar lado a lado com as tartarugas e as arraias apenas usando snorkel. Para chegar, tomamos uma van de linha na Calle 2 Norte por US$ 2.79 / 35 MXN cada e para cada trecho. CUIDADO: a praia é grátis, nadar com as tartarugas é grátis. Não se deixe enganar.

Cenotes
Fomos ao Jardin del Eden. É um cenote bem estruturado, com barracas com mesas, cadeiras e luz, banheiros, muito bonito, enorme, água transparente, cheio de coisas bonitas para ver apenas com o snorkel. Muitas pessoas fazem curso de mergulho em cavernas ali e fica muito bonito quando eles iluminam. É mais barato que o cenote Azul. Para chegar, tomamos uma van de linha na Calle 2 Norte por US$ 2.39 / 30 MXN cada e para cada trecho. Avise onde quer descer que eles param bem em frente à entrada. Leve muito repelente. Passe antes de chegar e durante. Leve seu snorkel porque lá não tem para alugar. Leve comida e bebidas porque não tem lanchonete. A entrada custa US$ 5 / 60 MXN.

Cancún e Isla Mujeres
Não chegamos a ir a Isla Mujeres mas creio que o melhor é sair de PDC logo cedo e ir direto para o lugar de onde saem os ferries. Ir até a Isla, ficar por lá e voltar depois do almoço para Cancún, dar uma volta no centro e mercado e acabou. Cancún não tem nada, não tem praia pública. É apenas um paredão de hotéis e resorts. É uma cidade completamente sem graça. Perdemos dinheiro e tempo indo até lá. Para chegar a partir de PDC tem várias opções com preços diferentes: Playa Express e vans normais com o mesmo preço e que param no mesmo lugar (perto da ADO de Cancún). Pagamos US$ 2.71 / 34 MXN cada trecho. Caso queira ir até Isla, tem que tomar outro ônibus até o ferry.
Mas estando em Cancún não deixe de ir até o mercado e almoçar no Restaurante Atotonilco. Ali tomamos nossa melhor sopa de lima. O Carlos comeu fajitas mistas e eu cochinita pibil. Tudo acompanhado de tortillas e refrigerante grande. Pagamos US$ 4.4 / 55 MXN cada. Atendidos por uma gracinha de pessoa chamada Antonio.

Movimentar-se na cidade
É facílimo. Tem vans e ônibus para todos os lugares e que param por todo o caminho. Basta dar sinal ou pedir para descer em algum lugar. Eles sempre ajudam. São todos baratos. Isso para ir aos lugares mais distantes porque andar na cidade é tranquilo. Tudo é perto.

Dicas
– Estando em PDC não deixe de sair uma noite e ir até a Calle 10 Norte onde toda a agitação acontece. Os bares e baladas funcionam até de madrugada, todos competem pela música mais alta e são abertos para a rua para você poder ver e ser visto. Para entrar na balada tem que pagar.
– Todos as vans tem tabela de preços afixadas então não se deixe enganar.
– Todas as lojas e shoppings ficam na 5ª. Avenida que é melhor entre a Constituyentes e a Benito Juarez.
– Não conferimos os preços em Tulum mas acredito que seja melhor ficar lá que em PDC. Para chegar a todos os lugares tem condução fácil e barata e a praia de Tulum é muito mais bonita.
– Almoçamos um dia no Guacamole Grill na Av. 10 Bloc 10. Restaurante bem local e simples. Experimentamos Poc Chuc (carne de porco bem temperada e cozida com cebolas, tomates e laranja). Preço bom, atendimento ótimo.

3 comentários sobre “Informações práticas – México

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s