Long Beach – sem turismo só reencontros

Carlos, eu, Pete, Paula, John
Carlos, eu, Pete, Paula, John

A viagem para a América do Norte era para ser apenas viagem pela Califórnia. Os planos do Carlos eram rever o lugar onde morou como estudante de intercâmbio, rever a família do tio avô e rever o primo e sua família. Como eu já fui para a Califórnia duas vezes e tenho como lema de vida não repetir lugares já que a vida é curta e o dinheiro mais ainda, só concordei com a viagem porque pude incluir o México. Na primeira vez que voltei ao estado foi em troca de uma ida até o Havaí e agora negociei o México. Foi ótimo. Conheci o México, revi a Califórnia e ainda de quebra conheci / revi todos os parentes.
Foi com essa ideia que saímos da casa da Joan (no Couchsurfing de Los Angeles) e fomos até Long Beach encontrar a Paula e o Pete. Isso na ida. Na volta passamos por lá novamente e encontramos Paula, Pete e John (parece até grupo de música dos anos 60 que cantava Five hundred miles).
O tio avô do Carlos cansou do Brasil, foi para os Estados Unidos, trocou de nome, criou uma nova família, trabalhou no Rockwell, foi um dos engenheiros responsáveis pelo Apolo 9, teve um filho e uma filha, uma enteada e uma vida longa e próspera por lá. Mandava notícias para a família, recebeu o Carlos durante o intercâmbio, mas nunca contou à família americana que era brasileiro. História para novela. Depois que ele morreu a mãe do Carlos resolveu que ia procurar a família de lá e contar a verdade para eles. Imagino que o tio avô Herbert deve ter se revirado na cova quando revelaram ao filho que o pai era brasileiro. Passou a vida em negação da nacionalidade e nem pode se defender.
Paula é a enteada do tio avô Herbie e Pete é seu marido. John é o filho mais velho dele. Pete teve sérios problemas de saúde e junto com a Paula escolheram ficar em um hotel perto do centro de saúde para facilitar as coisas e o tratamento. Foi no estacionamento do Seaport Marina Hotel em Long Beach que nos encontramos. Carlos reencontrou e eu os conheci. Dalí caminhamos até o Market Place Long Beach (shopping em posição estratégica) para ir a um restaurante com todo o jeito americano chamado Claim Jumper (de origem texana, decoração toda temática sobre a Corrida do Ouro e fama de servir porções enormes) de ambiente ótimo e comida maravilhosa e, América, em grandes quantidades. E aí passamos uma manhã e tarde agradabilíssima compartilhando estórias, fofocas, vida nossa e dos antepassados. E, digno de nota, a frase favorita da Paula: Yo soy de California. Era a desculpa dela, nas suas andanças pelo mundo, para dizer que não era uma simples americana.

Na volta a Los Angeles conseguimos que o John se reunisse a nós e passamos mais um dia agradável, comendo muito, falando muito e matando as saudades. Reunindo memórias maravilhosas para mais uma passagem pelo Brasil. No dia seguinte iríamos embora.

Um comentário sobre “Long Beach – sem turismo só reencontros

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s